12.5.13

Quinta das Musas da Fontinha

Quinta das musas

Se me dissessem há uns anos atrás que viria a ter preocupações éticas com a comida, provavelmente teria desatado a rir. Mas este é um assunto muito sério.

Sendo consumidores durante muitos anos de produtos provenientes da massificação dos bens alimentares, cedo começámos a questionar a forma como estes são produzidos e chegam à nossa mesa, já com um processamento duvidoso e difícil de aceitar. Tentámos arranjar alternativas a esta cadeia de produção com a procura dos mercados tradicionais e, posteriormente investindo na experimentação autodidacta numa horta e num sistema aquapónico artesanal.

Embora vivendo actualmente em contexto rural continuamos a não ter a garantia de que o que consumimos é saudável, os produtos produzidos aqui na região são o resultado de uma agricultura de monocultura  intensiva, com o recurso a adubos, fertilizantes e pesticidas. O resultado é um empobrecimento visível da terra, o envenenamento dos lençóis freáticos e a contaminação dos alimentos. A água é ácida e com um nível de nitratos elevadíssimo em relação às normas permitidas para consumo humano. Sobre a exploração pecuária de gado bovino na região também haveria muito a dizer,  a exploração do negócio do leite e da carne é tudo menos natural e ética.

Basta observar a prática da chamada agricultura tradicional para tirar ilações, esta é pouco natural e muito pouco amiga da natureza. É de resto conhecida a aversão que os agricultores convencionais têm em relação à fauna e flora existentes nas suas propriedades, acabando com plantas e animais que prestam uma ajuda preciosa na manutenção de pragas, como o ouriço cacheiro, o sapo, a cobra rateira, a toupeira, etc, quebrando a cadeia alimentar entre os organismos e criando fragilidades no sistema.

Quinta das musas

É pois seguramente errado pensar que por se viver no campo se tem acesso a produtos biológicos puros. Não se tem. O cultivo de uma horta ao lado do cultivo intensivo é uma utopia. Dou um exemplo bem terra-à-terra.
O ano passado plantámos feijão, tomate, ervilhas, ervas aromáticas. Tudo corria sem contratempos, entre regas e a apanha de caracóis e lesmas  à mão e com a ajuda de um artrópode simpático entre outros, vulgarmente conhecido como "joaninha". Depois do campo ao lado da horta ter sido pulverizado com pesticida estas deixaram de existir, o que teve como consequência  imediata uma praga de pulgão que arruinou as nossas culturas.

Curiosamente foi nessa época que o António descobriu o conceito de  permacultura através de um amigo. Esta sendo sustentável, continua porém a necessitar da terra como suporte, o que obviamente continuava a ser um problema dadas as condicionantes. Daí à aquaponia foi um caminho que de link em link lhe motivou a vontade de experimentar este método alternativo ao cultivo na terra. Embora o sistema continue sendo sempre afinado, aprendendo-se com os erros, tem-se revelado um método de produção viável e com uma racionalização  equilibrada entre os vários factores: esforço físico dispendido, investimento económico e área  utilizada para o efeito. A qualidade dos produtos hortícolas obtidos por este método é surpreendente.

Quinta das musas

É pois necessário questionar aquilo que comemos e tentar arranjar alternativas à produção massificada. Como consumidores podemos sempre escolher. E sei que não é fácil. É por isso que projectos como o que conhecemos no fim de semana passado, a Quinta das Musas da Fontinha no Porto, são sementes de uma consciência que cada vez mais é necessária. Embora com poucos recursos conceitos como estes, e existem vários na cidade, servem como agitadores de consciências e são um modo de estar que urge disseminar para não cairem no risco de se  tornarem numa moda passageira.

1 comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...